As Minhas Meninas

sábado, 11 de fevereiro de 2006

Este blog...

...já tem mais de um ano e eu nunca apaguei nenhum comentário dele, pois quem me visita não tem qualquer problema de deixar o nome mesmo anónimo. Todos temos direito a ter opinião, aceito isso.

Nunca questionei as opções das pessoas em relação a certos temas, pois existem temas que só dizem respeito às próprias pessoas. Quando comento nos blogues faço-o sobre o assunto de que se fala. É assim que eu o faço-o e é assim que vejo as outras pessoas a fazerem.

Hoje pela primeira vez apaguei dois comentários, não pelo o que dizem, mas sim pela pessoa não ter sido capaz de deixar o nome e esconder-se atrás do anonimato.

Aqui fica os comentários que essa pessoa me deixou:

"Espero que não leves a mal a pergunta, mas já pensaste em adoptar? Há por aí imensas crianças que precisam de ti e que são capazes de preencher a tua vida a 100%.

A transmissão do saber e da cultura, da educação e do desenvolvimento de uma criança são provas de maternidade bem superiores aos laços de sangue. Assim como o amor."



Não levo a mal a pergunta sobre adopção. Só não acho correcto a pessoa questionar-me sobre algo que nunca falei aqui no blog e que não sabe a minha opinião acerca disso e, não será hoje que o saberá. Quem me conhece sabe bem o que eu penso acerca disso.

Só quem passa por esta luta tão desigual sabe o quanto é difícil!

Amor, tenho-o muito para dar!!!

12 comentários:

lenita disse...

ola elsa.
nao se pode ligar a essas pessoas pois quando nao passam por isto nao sabem o que custa,assim apaga-se e resolvesse o problema.
pois eu tambem tive de fazer tratamento para engravidar e resultou logo a 1º .temos e de ter paciencia e calma e vais ver que a tua estrelinha tambem vai chegar.
beijinhos e ate a proxima.

tuga disse...

olá amiguinha, eu estou plenamente de acordo comntigo, pois também não gosto nada de ler um comentário seja bom ou menos bom e não saber de onde vem. Já me aconteceu mesmo com comentários positivos as pessoas não assinarem o comentario. Fico com pena. Em relação aos que têm uma opinião contraria e que a manifestam de uma forma desagradavel (q por sinal no meu blog nunca aconteceu) acho que o melhor é não ligar pq para haver uma discussão postiva sobre diversos assuntos as pessoas têm que se identificar...caso contrário não são ninguém...bjs Tuga

Rita disse...

A adopção é sem dúvida uma opção, mas não a única. Eu própria durante o processo de avaliação psico-social a que estava sujeita no decorrer do processo de adopção, fui ao Brasil tentar engravidar recorrendo à doação de óvulos. Amor não falta a nenhuma de nós, e caminhos alternativos são apenas estes dois: os tratamentos e a adopção.
Poderiam perguntar-me: "Se engravidares deisistes da adopção?" e a resposta seria obviamente "Não". Amo infinitamente os meus filhos sem ainda os conhecer, mas não escondo, nem nunca escondi no meu blog que tenho um grande desgosto de não saber o que são os desconfortos de uma gravidez (quando eles existem), o que é sentior os nossos filhos dentro de nós, o que é a dor de parto, o que é amamentar (embora muitas mães biológicas não tenham possibilidades de o fazer), etc, etc... Este desejo de participar em todo o ciclo reprodutivo é que me fez tentar a FIV com óvulos doados. Mas o amor que tenho pelos filhos que espero ansiosamente seria tão grande ou, maior, daquele que com certeza teria pelos meus filhos de barriga (não biológicos, eu sei, mas para mim qualquer filho será O Meu Filho!).
Efectivamente a adopção não é para todos. Quer seja a de óvulos, quer seja a de uma criança. E não se pode recriminar ninguém por não optar em primeiro mão por esse caminho. Ainda existe o livre arbítrio e o respeito pelas decisões de cada um, ou não?!?
Uma beijoca grande para mim, sejam quais forem as tuas opções na vida!

Rita disse...

Já agora, e embora não venha a propósito, tem outra coisa que muitas pessoas se esquecem de respeitar. É o momento em que uma lutadora decide que não irá tentar mais nenhum tratamento. Nestes casos, o primeiro pensamento que vem à cabeça dos outros é "desistiu. não foi suficientemente forte para lutar pelo seu sonho", e isto é absolutamente falso. Há sempre um momento na vida em que é preciso saber parar, reconhecer qual o nosso limite e isso não significa abrir mão do sonho, mas apenas ter a coragem de tomar uma decisão, muitas vezes dolorosoa e dificil.
Acima de tudo, esquecemo-nos de respeitar a individualidade de cada um e julgamo-nos sempre detentores de toda a verdade. Somos humanos... seres errantes.
Mais uma beijoca e um fim-de-semana muito, muito bom para ti! ;)

Sonia disse...

Olha miga nem vou temer o que possam pensar de mim depois do que vou dizer.
De facto exitem mtas crianças á espera para ser adoptadas, é um facto, mas bolas e 1º ponto não será nunca a mesma coisa que gerar um filho, mesmo que o amor seja igual NÃO é para mim a mesma coisa; ponto 2 existe mto tempo de espera para que a adopção se concretize, e tlvs por isso cada x se siga essa opção menos xs.

beijos

*CC* disse...

Olá, Elsa!!!

As pessoas n fazem ideia do q é esta luta, por isso fazem das coisas uma simplicidade,esquece isso, só nós sabemos o q é esta luta e só ao nosso mundo importa, o resto, as palavras dos outros, q as leve o vento.

Beijocas
CC

P.s. - Estou a ler a reportagem no Expresso

NaRiZiNHo disse...

Não penses nisso...pensa que não foi por mal....
Pensa, isso sim, que irás dar uma lição de vida a essas pessoas, que irás apresentar ao Mundo a tua sementinha, o ser mágico que irá iluminar a vossa vida para todo o sempre. Bejos.

Mamã trintona disse...

Olá Elsa (mais uma vez)
Quando comecei a ler o teu último post fiquei um pouco receosa que tivesses ficado chateada pelo meu comentário (se assim foi diz). Mas, depois, percebi que era pelo comentário anónimo. Espero que tenhas compreendido o que eu quis dizer. Continuo a achar que a adopção será mesmo o último recurso (quando todas as outras hipóteses estão esgotadas). Apesar de estar à espera do meu filhote (podes-me chamar egoísta mas não pretendo ter mais nenhum porque a minha vida não mo permite), se tivesse uma vida desafogada financeiramente, gostaria (e muito) de poder adoptar uma ou mais crianças.
Não gosto muito de dar a minha opinião sobre estes assuntos, assim, por escrito, porque posso sempre ser mal interpretada por alguém que não leia com atenção o que escrevo.
Respeito a opção de cada um. Como se costuma dizer: Cada qual sabe de si e Deus sabe de todos.
Gostaria que me dissesses se ficaste ou não chateada comigo pelo comentário. Ficaria mais descansada.
Ah! já li a reportagem do expresso e nunca pensei que fosse tão dispendioso um tratamento de infertilidade. Fiquei mesmo de boca aberta.
Joquinhas
Sofia

Luna disse...

Oi Miga!
Era para nap fazer comentarios mas como de certa forma m atigiram directamente uma grande amiga não podia deixar de expor a minha opinião.
Detesto coments desses, de pessoas assinam como anónimas"cobardes",nem sabem e nem querem saber o que é passar por todas as dificuldades de não conseguir engravidar e desejarem um filho e não conseguiram.
É Mto facil falar mandar piadinhas e atirar pedras como lhe chamo, mas pensem um bocadinho que a vossa opinião pode nao ser mais correcta podem estar a ferir outras pessoas, se nao sabem p.f não falem do que nao sabem.
Explico mais a minha opinião adopção nao deve opção á infertilidade, mas um direito e a vontande de um casal tenha ou nao filhos.
Mais uma coisa admiro mulheres da luta infertilidade pois fizeram de mim uma pessoa melhor, admiro-as por tudo que são, pela força pela garra e pela amizade, por tudo.
Adorei ler reportagem, no fundo tb me deixou lagrima no canto do olho.
Mil beijocas
desta tua sempre amiga
Luna

Rita disse...

Gargalhadas... estive a reler o que te escrevi, e em vez de "Uma beijoca grande para ti" coloquei "Uma beijoca grande para mim"!!!! Deves ter pensado que tinha elouquecido!!! rsrsrsrs

Beijos, beijos

stardust disse...

Olá amiga

Tmb li a reportagem,achei a tua coragem extraordinária...

Tmbs li 1 comentário no site doexpresso de uma pessoa a comentarcmo era possívelc tantas crianças a precisarem ou qualquer coisa do género. Tentei comentar tmb mas tinha de me registar e n estava c tempo...

Acho q as pessoas n sabem, nem sentem realmente a dimensão do problema e realmente a adopção é uma opção mas n digam q é a mesma coisa, nem façam juizos de valor sobre coisas qdesconhecem...

És uma grande mulher.

Beijos

Susa disse...

Olá Elsa, já te leio há uns tempitos mas é o primeiro comentário que te deixo.
Realmente não há coisa mais cobarde e desagradável do que anonimato quando se comenta a vida de outra pessoa, no entanto, pareceu-me que te ofendeste mais do que deverias. Não leves a mal este meu comentário mas não há mal nenhum em dizermos que não queremos adoptar alguém.
Hoje em dia está na moda ser-se solidário, e adoptar uma criança tem que ser um desejo tão grande como o de ter um filho biológico, caso contrário estamos perante actos de aparência e nenhuma criança nos merece isso.
Não há problema algum em dizer-se : " Obrigada pela dica ou pelo conselho mas eu quero mesmo é que a barriga cresça, o bébé mexa dentro de mim e quero saber o que são dores de parto. Por enquanto não quero mais nada, quem sabe um dia mais tarde sinta de forma diferente."

Desculpa mas não achei que aquele comentário que a tal pessoa anónima te deixou e que tu trascreveste fosse tão ofensivo assim. Quando estamos seguras daquilo que queremos e sentimos não nos deixamos atingir por comentários anónimos e que, quem sabe, são desconhecedores daquilo pelo que já passámos.

Compreendo a tua dôr, não a intensidade da tua dôr...esta última só cada um conhece!

Beijos, e espero que não te "zangues" com este meu comentário, não é essa a minha intenção.